Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INFÂNCIA

O que fui não sou, nem serei talvez
O muito pouco que sou agora
Porque da vida a linda aurora
Num longo crepúsculo se desfez.

Deixa-me chorar a infância anosa
Porque só me resta chorar.
Quem há de me dar outra rosa
Que não venha nunca murchar ?

Uma rosa plantada à tumba
Que, ao sol da manhã, vai se abrir
E, eterna, jamais sucumba
Ao entardecer triste do porvir.

Quando tudo cessar, eu me cessarei
E a amarga certeza de ser finito
Me traz, agora, esse desejo aflito...
Mas que pena ! Outra rosa eu jamais terei.
mreno
Enviado por mreno em 20/03/2005
Código do texto: T7189
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
mreno
Itajubá - Minas Gerais - Brasil
37 textos (1814 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:15)