Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Como um abraço II

                   

Desfez-se o abraço.
Já não existe mais o homem, nem tão pouco o menino.
Porém os nós, Ah! Estes ainda doem.
Nós dos sentimentos.
Nós das prisões sem grades.
Nós dos pássaros nas gaiolas.
Nós dos amores impostos.
“Nós” não queríamos os nós.
“Nós” só queríamos os laços.
Laços brancos nos vestidos das meninas.
Laços nos cavalinhos de pau dos meninos.
Laços de amores nas esquinas que escondem... escondem...
Ainda mesclados de homens e meninos.
A cadeira embala os sonhos e as horas.
E a lucidez é frágil e pura como um menino....como um menino...
Eu vejo o tempo, eu vejo o menino correndo...
Como na canção do Roberto.
A morte-sono acalenta o corpo do menino.
Como no poema de Demian.
A vida se esvai. A cada instante, o compor do tudo em nada.
Aos poucos, perde-se a  consciência...estagna-se.
Agora só o menino dorme,
Sem os nós...abrem-se os laços.
Márcia Rasia
Enviado por Márcia Rasia em 03/11/2007
Código do texto: T721652

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Márcia Rasia
Barreiras - Bahia - Brasil, 50 anos
55 textos (16640 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 15:08)
Márcia Rasia