Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


A minha tragédia




Trago dentro de mim.
Um mar de ansiedades.
Feito de nadas e porquês.
De sim(s), de não(s), e então(s),
E de apertos no coração.
De tropeções quando ando.
Pela rua mareando,
nesse mar, de imensos ensejos.
São os calhaus da calçada
Que encontro pela minha frente.
Qual caudal descomunal.
Que eu não consigo vencer.
Pesam-me as pernas!
Ou pesam-me mais as tragédias?
que trago dentro de mim.
Os meus nadas, são os meus devaneios.
Os nãos, as minhas desilusões.
Os porquês, as minhas obstinações.
Os sins, os meus consentimentos.
Os nãos, as minhas recusas
Os entãos, as interrogações
Se devo ou não prosseguir
Com o que chamo meus delírios.
Torná-los realidades.
Fazer deles o meu grande desafio
E o aperto no coração?
Só quem o não tem, o não sente.
E faço desta convenção.
A minha grande tragédia
Que me embarga aptidões.
De enfrentar com denodo
Esse caudal de hesitações
Mas se guerreira eu sou?
Comprovei-o muitas vezes.
E se a vontade sai de mim
Quem faz a tragédia sou eu….

De tta
07



Tetita
Enviado por Tetita em 06/11/2007
Código do texto: T725958

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tetita
Setúbal - Setúbal - Portugal
1397 textos (80774 leituras)
65 e-livros (5631 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 09:13)
Tetita