Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema Ao Sol

Serei forte, sem me deixar
amordaçar, prender.
Carregarei mesmo
se for em silêncio
a bandeira da poesia
que nasceu em mim.

Não desanimarei
diante dos obstáculos,
das pedras que rolam
em meu andar.

Mesmo descalça
das sandálias
que vestem meu interior,
onde as letras se formam,
viverei nelas até morrer.
Prometo.

Mesmo em solidão,
e, estou só,
amigos de Maria
me abandonaram também,
vizinhas minhas
de quase sete séculos,
quase todas já fecharam
as portas para mim,
colocando fechaduras nelas
e me deixando sem a chave.

Parece que todos
estão me abandonando.
Talvez cavei esse
abandono com minhas
lágrimas que tanto ferem.
Talvez com meu jeito de ser.
De dizer, de falar.
Talvez com meu jeito
estranho de amar.

Mas prometo,
mesmo nesta solidão
que não sei porque
estão me impondo,
mesmo imersa
no mar da saudade,
repatriarei meu espírito
dia após dia,
noite após noite
para junto das estrelas
e lá permanecerei
contemplando
e admirando
o caminhar do sol
no infinito azul.

E, quem sabe um dia,
num repente de sua luz,
seus raios me acordem
e me levantam outra vez...
Sonharei....
Maria
Enviado por Maria em 06/11/2007
Código do texto: T726135
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria
Blumenau - Santa Catarina - Brasil
4774 textos (193188 leituras)
1 e-livros (117 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 13:18)
Maria

Site do Escritor