Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto XXVIII

Quanto ela caminha e é de vera
Que ela dança, de tanta beleza
Mantém, em mim, a chama acesa
Que, um dia, apagada estivera.

Caminha tanto, dança tanto
Que acabo a perdendo de vista
E, parado, ali eu assista
A trágica despedida. No entanto,

Hei de amanhã vê-la novamente
E, minha alma já não reluta
Pois, já sabe, que infelizmente

Sendo ela uma santa ou uma puta
Meu coração, desesperadamente
Já não responde à minha conduta.
Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 21/03/2005
Código do texto: T7266

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
958 textos (30824 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:22)
Júnior Leal