Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SINA II

Esvaziado o silêncio,
restabeleceu-se a rotina
na vulgaridade das horas.
Saí pela porta da frente
pra assistir a realidade
tão usada e confortável,
assim sem quê mais pra quê.
(Do ar , poluído remanso!)
Na coleira eu levava
minha dor de estimação.
Num querer sem eloqüência
aceitei de pronto a sina
sem saber se era demora,
o grau em que a dor enfrenta,
e que pele da alma agüenta.
Seria comodidade
o valor do suportável
ao me abdicar de você?
Vadio, cínico e manso,
de tocaia me espiava
o silêncio esperto e eu não.
Fiquei do lado de fora
olhando sem ver, a vista
da paisagem estragada
com o choro pendurado
bem na ponta do nariz
Eu nunca soube o que quis
dito em sentença precisa.
Um ai me desorganiza
perco a passagem e o bonde
no desejo de ir embora.
Volto a ser gente esquisita
corpo seco, alma molhada,
no fundo, você do meu lado
era tudo o que eu queria.
E aí gente ia,
sem saber pra onde ia,
bem depois do longe onde,
pra lá é que a gente ia.
 
Elane Tomich
Enviado por Elane Tomich em 18/11/2005
Código do texto: T73131
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Elane Tomich
Teófilo Otoni - Minas Gerais - Brasil
319 textos (11466 leituras)
1 e-livros (126 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:38)
Elane Tomich

Site do Escritor