Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Todas as luas

Todas as luas
maria da graça almeida

O trovador diz da lua
quase tudo, quase nada.
Pelos céus elas navegam
distantes, alienadas.

No anonimato ou com nome,
do poeta, belo informe.
No poema, abstratas,
convivem em harmonia,
clareando da noite a errata,
cobrindo a pressa dos dias.

O poeta solitário
no convite ao amor:
- Vamos juntar nossas luas,
que caminham tão sozinhas?
O artista solidário,
seduzido pela cor:
-Sua tela de lua está nua,
quer um pedaço da minha?

 Dizendo da lua
maria da graça almeida

Conheci sua lua. Encantei-me!
Sem amarras, solta, flutua.
-Rima corriqueira?
Inevitável?
Mas, verdadeira-
Por acaso, quando a fita,
vê um fio que a segura,
tal qual fosse leve pipa?

Fez-me inveja, sua lua.
Apanhei, apalpei, aspirei-a.
Devolvi. Ela é sua!
Pronto! Não se zangue!
Só a tomei por empréstimo,
um bocadinho.

Da gaveta, tirei a minha:
amarrotada, quadrada,
coitada!
Acorrentada pelas rimas,
vigiada pelas sílabas!
Cilada!
Examinei-a: não lhe pus fé!
Poetizar, contando
nos dedos das mãos,
nem sempre "dá pé!”.


Lua
maria da graça almeida

A lua tão alva,
tranqüila, serena,
no fundo do poço,
parece morena.

A lua ingênua,
temente e pura,
no fundo do poço,
descansa segura.

Da bela figura
tampouco se orgulha,
se perto a espio,
mais fundo mergulha.








maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 22/03/2005
Reeditado em 26/05/2012
Código do texto: T7326
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
248 textos (14633 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/16 04:00)
maria da graça almeida