Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fazendo amor com um deus!

Marcada pela dor,

Minha alma grita aflita...

Em meio as recordações.

Triunfante a solidão.

Levanta seu estandarte,

E desfila na comissão de frente de minha saudade.

Mais minha pele pega fogo,

Ao imaginar sendo explorada,

Por uma boca quente, apaixonada.

Ao pensar em mãos indecentes e atrevidas,

Explorando meu corpo,

Arrancando arrepios onde passa,

Nem sei mais  se triste ou exitada.

Louca que sou, estou,

Confusa e perdida... por versos profanos.

Descrições de paixões,

Aparentes lições de luxúria,

Revelados por uma pena bendita,

Que me colhe os desejos,

Nós meus versos soltos.

E prometi fazer meu prazer,

Gritar pelos poros,

Sem nenhum decoro... só o alívio do gozo!

Triste, mais com vontade.

De fazer amor num fim de tarde.

Descortinar  com meus olhos a imagem,

De um corpo que exploro com a boca.

E com a alma devoro.

Não poupado canto que a língua não vá,

Caminho que a mão não traçar...

Sem decoro... só alívio de gozo!

Me entrego a luxúria.

E me acaricio ousada,

Querendo refrear meu desejo.

Pescoço, colo... meus seios.

Barriga, umbigo... nas coxas o abrigo!

Meu sexo pegando fogo.

Reclama o peso de um corpo...

Mais aplaco  minha fome de amor.

E o sono me pega no colo,

Como se eu fosse um precioso camafeu,

E me entrega para ser embalada,

Pelos braços do deus do sono,

Me entrego a morfeu!


Observadora
Enviado por Observadora em 19/11/2005
Reeditado em 25/11/2005
Código do texto: T73499
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Observadora
Salvador - Bahia - Brasil, 50 anos
487 textos (27392 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:32)
Observadora