Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A fuga das palavras


Há dias que as palavras descansam,
Lavam-se de significados talvez
Em ruas desertas que descansam de multidões.
Ou desaparecem por segredo,
num convénio de exactidões depois de exauridas
de perversões, de incorrecções de destemperamentos.
Talvez não gostem do uso gratuito, da verborreia, da verve aldrabada,
Talvez se cansem dos cansados,
Dos sujeitos predicados, dos nomes adjectivados.
Todas elas devem regularmente visitar,
A matriz, o grande lago gelado,
o cristal adverbial,
do Verbo,
alto altente, mago do mistério.

Há também dias como hoje
Como se o sangue fosse espada
Que retracta a palavra.
Ou vão para os anjos
Que as usam nos perdões e desculpas ilimitadas

As palavras, talvez apenas tenham personalidade sensível
E fujam deste assassínio em massa,
Ou percebam o seu efeito limitado
Que o que está a dar é ter muito dinheiro,
O mesmo com que se compra o dicionário.



Constantino Mendes Alves
Enviado por Constantino Mendes Alves em 13/11/2007
Reeditado em 13/11/2007
Código do texto: T736058
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Constantino Mendes Alves
Portugal
324 textos (3794 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 03:12)
Constantino Mendes Alves