Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

METILPOEMA

 
...e sopro nos acordes da indolência,
saudade do mistério que não fui,
esgoto, me drenando a consciência,
da luta com meu sangue - que não flui.
 
Não sei de tantos mares e  desertos,
no âmago da dor que, em mim, se espraia.
Tomara que algum anjo passe esperto
e a leve, de uma vez, antes que eu caia.
 
Pileques - já tomei de certos versos -
promessas, que cumpri por tanto tempo,
sonetos, que arrotei temas perversos,
e os dias, que deixei rimar no vento.
 
Por hoje, quero a parca lucidez,
de me acordar em noite sem lamento,
qual louca, que se enforca em sensatez,
qual ladra, que se rouba amor detento.


*****************
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 21/11/2005
Código do texto: T74414

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Lílian Maial
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1158 textos (248658 leituras)
21 áudios (13707 audições)
3 e-livros (1280 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 14:07)
Lílian Maial

Site do Escritor