Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fragmentos de uma vida doente II





Fez-se noite de repente naquele dia de Setembro
Ideias macabras  povoavam meu pensamento
Sem nexo, redopiando, eu lembro;
Gostaria esquecer aquele momento,
Horas e dias de incertezas e desilusão
Semanas e anos passados em verdadeira confusão.
Fixo, meu olhar, na paisagem verdejante
A água corria, cantante,  em cascata no morro
E um soluço teimava e doia no meu peito
Desfeito e amargurado pedindo socorro...
Morte e vida lutando numa luta sem par,
Sempre alerta e controlando,
Oh! Como foi difìcil o tempo passar!
No meu leito de morte, febre me consumia;
Meditava em tal sorte e sofria.
Ao pensamento vinha tanto do que não queria!
Lia, lia sem parar, para o espírito librertar
E no filhote não pensar!
Recordando o que lia, frase dita por António Nobre:
“Terra quero comer ela já me cobre”...
De liberdade estavamos àvidas,saltando muros e veredas,
Saía irónica e rouca gargalhada
De nossas gargantas sempre quedas...
Já exausta daquela longa  caminhada,
Enxergo, enfim,ao longe uma luz
Pequena brilhante que me pôs animada...
Será algo, meu Deus, que me conduz
Àquele querido e desejado lar?
Foram meses e anos decorridos e já sem esperança...
Mas eis que minh’alma canta em vez de chorar,
Caminhei,caminhei... depois da tempestade a bonança!...

     
Odete Simões
Enviado por Odete Simões em 20/11/2007
Código do texto: T744822

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Odete Simões). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Odete Simões
Portugal, 91 anos
68 textos (408 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 19:56)
Odete Simões