Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

atenção: recapitulando





            remover as paixões
com removedor de tintas fortes
                       com ácido redutor
               até elas ficarem alcalinas
como leite desnatado
como um soro insípido e doente

                               abrir a porta da geladeira
                     abrir uma fábrica de geladeiras
            chamar os engenheiros
                         os técnicos
                         usar de todas as técnicas
                         de persuasão de si mesma
                                             ser técnica
                                            ser cientista
                    pois seria um vexame
                     a ciência se enamorar
                       e gastar seu tempo com tanta amolação

                    ele ainda está lá
                    vivo e multicor
                                rubro-negro
                                     azul-mar
                                         azul-céu
                                e verde-sapo
                       verde como aquele batráquio de pano
                           verde como capim do interior
                 verde como um sinal aberto

                 que paz ela deseja?
         deseja que ele pule?
                deseja que ele desista?
                ou deseja que ele a deseje
                                      e a deseje beijar
                  e veja nisso “o gosto em viver”?
                   o gosto em não ser exato
             mas, sim, em se revelar...
             a cada novo dia revelar-se
                              em revelações que pareçam não ter fim

             mas, onde estávamos?
                        onde paramos?
            no meio da escada de incêndio
                             hesitando quanto ao fogo
                        aquele que nos acompanha
             ainda que em forma de fumaça retida?

eles são pares
eles se encantaram
se apropriaram de si
se prometeram a si
se imaginaram consigo
será que, ainda assim, eles vão parar?
será que não adoeceram o suficiente?

                                    eles sabem
                         que ele ainda tem um apelido
                            e que o sinal está verde
                             como sua pele de pano.


Luciano Fortunato
Enviado por Luciano Fortunato em 21/11/2007
Código do texto: T745756
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luciano Fortunato
Mendes - Rio de Janeiro - Brasil, 47 anos
561 textos (79631 leituras)
20 áudios (419 audições)
15 e-livros (3280 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 20:08)
Luciano Fortunato