Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEITURA DOS ARQUIVOS



Tudo que sonhamos somos nós o que vemos,
As coisas que sonhamos, somos nós o que temos.
Lemos os livros da vida e os arquivos do eu,
Temos escrito na vida as histórias do eu.

Às vezes e quase sempre tudo,
Não vemos o que se descortina no mundo,
Muita coisa passa alheia aos nossos olhos.
Quantos olhos bastar-nos-iam para ver o mundo,
E a outra parte do mundo que não está à mercê dos olhos?

É vasto o que eu penso dentro do que eu sinto.
E o que eu sinto é mais vasto ainda diante do que penso,
Que dirá o que vejo enclausurado neste labirinto.
As nódoas de cada passagem às vezes me tomam o senso.

Às vezes e quase sempre nos enganamos,
Às vezes nos vemos inerte dormindo.
Descansa o corpo, acorda o ser e sonhamos,
Então vemos o outro lado do eu subindo.

© Walterbrios
2 de outubro de 2005
Walter BRios
Enviado por Walter BRios em 23/11/2005
Código do texto: T75475
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Walter BRios
Salvador - Bahia - Brasil, 61 anos
358 textos (13845 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:18)
Walter BRios