Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PREMATURA


Guardada
na timidez da pura infância,
ela, menina, desbotou da palidez.

Deixou de pedir tantos porquês
Borrou as unhas de esmalte aflito
Marcou as costas no apertado sutiã.

Avermelhada,
teve vergonha do primeiro beijo
de língua enamorado.
Desconcertada,
ajustou o corpo à toalha de banho
só por pudor do meu olhar aberto.

Deixou de temer os velhos trens-fantasma
assustadores dos parques de diversões
Sem perder o sotaque, os cacoetes, o dialeto do pê,
falou como se nunca tivesse tido a língua presa.

Chorou com a caixinha falando música em vão,
que ainda toca quando escorrega sua mão.
Quase adulta, sem perder a sensibilidade de menina,
escondeu sua boneca com corrimento na vagina.

Cresceu sem namorar direito e sem adolescência,
pois, aos dezesseis, pariu um boneco de carne.
Em busca de vida e vida, sem a intensidade dos porquês,
aprendeu a rodar piões para o filho que lhe pede mão.

Viveu conformada com o que a pouca infância lhe deu:
caixa de música para ouvir, uma boneca para cuidar
um filho para criar até que a vontade de amar não adormeça;
enquanto isso, no último beijo prematuro, acordo a menina.

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 23/03/2005
Código do texto: T7574
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19473 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/09/16 05:20)
Djalma Filho