Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


SALA DE POETAS:  EUOSOU




Maurélio Machado, natural de São Bento do Sul, SC
Casado, pai de 1 filho e 2 filhas, formado na Univille em Ciências Contábeis.
Adora o mar, poesias e liberdade.
Um poeteiro de rua, sonhador como tantos e tantos brasileiros comuns em busca da felicidade.

Algumas poesias:


ELE CHOROU

às cinco da manhã
levantou-se,
réstias de esperanças
empertigou-se
olhou as crianças
e a mulher, dormitavam...
De mansinho, calado, saiu...
Sem café, estômago vazio
partiu
à busca de trabalho
de dignidade
do pão de cada dia
do agasalho
da necessidade...
Circulou
pelos quatro cantos
da selva de pedra
desencantos
Nada encontrou...
Humilhado,
sem tostão,
esfomeado,
sentou-se no banco da praça
e chorou...

Maurélio Machado


*********************

FLOR-DO-CAMPO

Chegou, d' onde, poucos sabiam
Sorriso franco, encantador,
olhos verdes e misteriosos.
Esguia, elegância natural,
cabelos castanhos,esmerados,
lábios carnudos, tentação.
O corpo escultural, quase menina,
moça bonita, desperta paixão.
como frescor da campina.
Jovens, a conhecemos,
enternecidos,
inebriados,
encantados,
enlouquecidos,
apaixonados,
perdidos
de tanto tesão.
E a noite sonhos de amor,
confidencias ao travesseiro,
manchas estranhas nos lençóis
e versos apaixonados
cantados em arrebóis
poemas desconsolados.
Amores platônicos, guardados .
segredos de jovem apaixonado,
vivendo encantados dias
no paraíso, risos e alegrias
não imaginava, sombria,
a fatalidade na noite, ocorria...
Destino cruel e violento,
amanhecer triste e sangrento,
corpo da musa encantada,
jaz, semi-nua, à margem da estrada.
Cruelmente dilacerada,
covardemente estuprada,
por um monstro demente.
O povoado inteiro sofreu,
a encantada flor feneceu
e, no meu recanto, entristecido,
lágrimas por um amor perdido.
Restou-me fazer-lhe uma oração
balbuciando a reza, quase um gemido,
sentindo o corpo estremecido,
brisa suave exalava, suave perfume...
Nosso adeus, o último encanto,
o encontro final, místico, fatal,
com a meiga flor-do-campo.

Maurélio Machado


*********************

A MORTE DO POETA

Não chorem, orem, lamentos são em vão.
O poetinha não morreu, não findou,
Elevou-se somente à uma nova dimensão, 
Mas deixa seus poemas a quem ficou;
impregnados de perfumes de flores;
escritos infindos, com muita paixão;
para seus caros amigos e seus amores;
deixa também uma sonora e cândida canção;
para o único amor que há muito feneceu;
e seu esperançoso e tímido coração;
batidas a pulsar no peito de uma criança;
também deixa seus órgãos para doação;
para que renasçam esperadas esperanças;
n'almas dos carentes desta linda Nação.

Maurélio Machado
São Bento do Sul - SC


@Respeite os direitos autorias@



Maurélio Machado
Enviado por Maurélio Machado em 30/11/2007
Código do texto: T758911
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Maurélio Machado
São Bento do Sul - Santa Catarina - Brasil
8102 textos (1690881 leituras)
2 áudios (1150 audições)
95 e-livros (6300 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 02:24)
Maurélio Machado