Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Por sótãos e tetos de algodão

Vistes a palmeira que deixara brotar neste verão?
Vistes o céu de marsupiais gruindo de um gruído estranho?
Por acaso
Estranhou que os tetos não são mais de algodão?

Fizestes perceber que tudo jogado fora
Como uma cesta, uma bola.
De tudo um pouco sábio.
Um livro, um disco.
De tudo um pouco história
Seus pertences, a memória.

Passam devagar
Certeiro e sem medo
Lastros daquilo, que um dia.
Fora seu abrigo
Fora seu refúgio
Fora o pão
Do caramujo que há em ti

Não percebes que a vida é uma casa de mil portas?
Onde o único terror que o faz temer é o dos próprios sonhos?
Já parou pra perceber que não há mais geada?

Saia amigo, já amanhece.
O sol chega e teu dia escurece.
Saia anfitrião
Há mais na vida do que bolas, sapatos e servidão.
JRCalhau
Enviado por JRCalhau em 02/12/2007
Reeditado em 02/12/2007
Código do texto: T761753

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JRCalhau
Santos - São Paulo - Brasil, 27 anos
7 textos (205 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 08:33)
JRCalhau