Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EH! SAUDADE QUE INCOMODA!



Eh! saudade que incomoda!...

Sem avisos entra assoviando peito adentro colimando o coração!

Desarruma tudo!

Nada resta para contar a história do entressachado choro!

Saudade dormitando!

Sonambúlica!...

Persiste enredando as sonâncias dos meus suspiros caindo face abaixo!

Lembranças misturadas!...

Fins,

começos,

limites,

ilimitável,

sentimentos indizíveis,

incontáveis!...

Inencontráveis.

Saudades chamadas suas!

Consternados gritos!

Mãos que se agitam para ajuntar o contínuo
choro na tentativa de nascer um verso e
comover seu coração!

Eh! saudade finda... nasce tanto que é a minha própria vida vivida em prantos pranteando o sopro de alegria que há muito espargiu ao sair pela porta do meu peito!

©Balsa Melo
05.01.07
Paraíba

 
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)
Enviado por BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO) em 02/12/2007
Código do texto: T762377
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)
Uberaba - Minas Gerais - Brasil
3010 textos (87162 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 02:30)
BALSA MELO (POETA DA SOLIDÃO)