Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
         O ABRAÇO


                     (À cidade do Porto, na véspera do 1º de Maio de 1982)


Esta noite estremeci
com um telex cravado no coração.
É um pesadelo, soprei.
Depois de Abril
já nada disto pode ser real.
Mas o silêncio, zumbindo escarninho,
apagou as palavras ainda frescas.

Da vala comum do tempo
saltam podridões em fúria,
arremessando o ódio contra a vida.

No Porto em labaredas de sangue
arde o granito na calçada.

Agora sim, não palavras mas gritos,
indignação e fúria, visão de corpos
calcetados de balas
escorrendo flores vermelhas pela rua.

Fugiu-me a vontade direita ao Porto,
desceu a rua escura, correu do Lordelo à Foz,
interrogou o Douro, os velhos armazéns,
e soube que o silêncio não mais funciona
enquanto o sangue se mantiver
indelével nas pedras da memória.

É impossível o regresso ao nevoeiro.
Balas abateram irreversíveis
duas esperanças ainda mal abertas
deixando em meio o gesto generoso.
Mal se ouviu a risada de alegria
foi ceifado o amor ainda em botão.

Ficou-nos a raiva, a raiva a borbulhar,
as mãos abertas em dádiva
e as bocas secas de gritos
emitindo palavras de avançar.

Ó Porto-cidade, Porto-orgulho, Porto-granito,
Porto-Firmeza, Porto-Heroísmo,
Porto-vida-escondida-em-sofrimento,
levanta alto, para além da força,
projecta longe, para lá da neblina,
o crepitar das bandeiras-fogo dos teus filhos
tombados como duas lágrimas
no teu rosto de pedra.

Com eles cairam, de novo assassinados,
todos os mortos do 1º de Maio.
Ei-los aqui sentados a meu lado
preenchendo os degraus da escadaria negra
vivos e presentes.

Vivos e presentes!
no abraço de sangue
com que retomaremos o caminho.
CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 25/11/2005
Reeditado em 25/11/2005
Código do texto: T76338
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (21274 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:01)
CARLOS DOMINGOS