Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
ELEGIA NA MORTE DE SAMORA MOISÉS MACHEL

                          (Poema inscrito no livro de condolências da Embaixada
                                            da República Popular de Moçambique)


Não venho trazer-te flores, mas um grito.
No teu sangue derramado
lateja a minha dor e a minha raiva.
Dentro de mim estremeceu o mundo
e o mar ferveu,
os sorrisos voaram em estilhaços
e desmoronou-se a torre em construção.

Agora estamos nus sob os escombros
e a tua ausência é um vento frio
soprando por dentro.

Mas nada poderá deter-te, nem a morte!
De súbito, surgiste ao nosso lado,
sentimos a tua mão de confiança,
continuas de pé, jovem, invencível,
com a vitória a sorrir-te nos lábios.

Nada poderá deter-nos, Samora Machel.
As nossas mãos, a nossa voz, as nossas armas
velarão a tua memória
e arrancarão os frutos renitentes
à terra ainda em flor.


                                                     (22 de Outubro de 1986)
CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 25/11/2005
Reeditado em 25/11/2005
Código do texto: T76360
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (21274 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:44)
CARLOS DOMINGOS