Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM VIOLINISTA SERRA ACORDES
EM TANGOS ARGENTINOS
O TOCADOR DE OBOÉ SABE A HORA
EM QUE O OBOÉ QUER CHORAR SUA DIFÍCIL AFINAÇÃO
A NOITE É PARA FUNÂMBULOS SONOROS 
A LUZ DEVE SER UMA VAGA ESCONDECÊNCIA
O BAIXISTA LAMENTASOMENTE SUAVIZA OS DEDOS
TALVEZ O BRILHO LUSCO-FUSCO DE NOVA ORLEANS
UMA LAMPARINA DE INTERIOR
OU APENAS A BRASA DO VELHO FOGÃO DE LENHA
A VELA DE BALZAC SERIA ELEGANTE DEMAIS
O ESPELHO DO SAXOFONE REBRILHA A CINZA
A RESINA FOSSILIZADA UMA LUMINÚRIA VERDE E AZUL
FORRA O CLARINETE - ISSO É ÂMBAR
DOZE VOZES BEIJAM O PENTAGRAMA ENVELHECIDO
A MÚSICA VESTINDO MEUS OLHOS
SONS SECULARES SÓ PODEM SER VISTOS NOS VENTOS NOTURNOS
NINGUEM DORME APÓS O CÁLAMO

Edmir CARVALHO BEZERRA
Enviado por Edmir CARVALHO BEZERRA em 25/11/2005
Código do texto: T76372
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edmir CARVALHO BEZERRA
Belém - Pará - Brasil
55 textos (5344 leituras)
5 e-livros (14875 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:18)
Edmir CARVALHO BEZERRA