Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

GÊNESE

 

Conheço gritos, antigos de eras, que ninguém soltou,
apenas sons encadeados, crus, perdurando por aí.

Conheço gritos sofridos, capazes de anoitecer os dias,
mesmo os banhados de luz.

Conheço gritos de dor, em vários graus,
nas mãos desperdiçando gestos em vãos chamados.

E nas bocas abertas durante todo um fôlego,
como almas rasgando-se,  num silêncio quase tosco.

E na vida que nasce, em alegrias indiscutíveis
de carne torturada arcaicamente, com prazer.

Conheço gritos que duram uma vida,
como destinos cumprindo-se,  sem apelo.

Gritos de alegria, enchendo de risadas as manhãs,
como gorjeios de aves agradecendo ao Criador.

E aqueles outros, silenciosos, disfarçados,
escondendo as dores inconfessadas dos medos.

E conheço aqueles gritos todos, do fim da rua,
erguidos na algazarra de meninos como eu fui.

Hoje, os gritos falam-me de solidão,
e queixumes não revelados.

E, perdido nos meus silêncios,
não sei como atendê-los...


Dezembro 2007
Henrique Mendes
Enviado por Henrique Mendes em 07/12/2007
Reeditado em 08/12/2007
Código do texto: T769253

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Henrique Mendes
Montijo - Setúbal - Portugal, 61 anos
290 textos (14324 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 03:55)
Henrique Mendes