Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nascimento!

Num casulo azul,

Num canto escondido.

De um jardim ao sul,

De qualquer memória,

Eternizada na minha história.

Surgi deslizando, de flor em flor.

Uma borboleta multicolor.

Nascida de um casulo azul...

Trazendo toda a emoção,

E as metamorfoses do seu coração,

Num casulo de seda e paixão.

Ansiava pelas seduções.

Enquanto esperava no escuro do seu momento.

O desperta do sol do nascimento

Nos jardim pesquisava então,

Dos desatentos  as  sensações,

De olhos a mirar tal criatura.

Que por seu porte, retorcido e grotesco no fitar,

Passava despercebido o brilhar,

De seu futuro de asas e cores a flutuar.

De lagarta manhosa, preguiçosa.

Transformada em singela,

Criatura alada, etérea.

Rouba o néctar de flor,

Lépida e fagueira,

Para traduzir em mel seu amor.

Capturando, com suas ínfimas rimas e versos,

O sonhar dos dispersos,

Que olham e não enxergam,

Nos vértices dos versos,

O seu grito de agonia e de dor... no ar!

Aventura seu bailar, para além do luar,

Horizonte desponta o expoente,

Do verbo sonhar, viajar, imaginar!

Sem se preocupar com sua frágil figura,

A borboleta nos ares a buscar continua,

O seu perpetuar de flor em flor,

O pólen dos sentimentos.

O seu amor escondido num tempo,

Sem exatamente saber em que momento,

Se lagarta ou borboleta,

Apenas a lembrança a atormenta.

De uma tarde cinzenta,

Que um olhar mais suave,

Transformou em saudade!

E voou, livre e solta,

A toa...

Transportando no seu bailar,

No renascer do gesto a fé.

De lagarta virou borboleta,

De menina virou mulher!

Observadora
Enviado por Observadora em 29/11/2005
Reeditado em 30/11/2005
Código do texto: T78437
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Observadora
Salvador - Bahia - Brasil, 50 anos
487 textos (27392 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:12)
Observadora