Capa
Cadastro
Textos
┴udios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Atmosfera descalša

Atmosfera descalça
e olhos de espera nas mãos, no entanto.
Por vezes, um gesto de pão
em pingos de cuspo seco que enchem a terra.
Dir-se-ia um beijo de possuir-se,
uma palavra de trapos,
aqui e ali um discurso aterrador, de perfil.
E, no entanto, ferrugem de pneus por cima
e pés de resina,
bairro de lata de prédios sobranceiros,
de olhar recalcado e comichão avulsa,
cimento breve.
Chafariz de luz roubada, as mãos.
As mãos que realizam contornos
e empurram a inércia das palavras
onde as trepadeiras esperam
e se embriagam humildecidas.
Quem sabe das raízes mais velhas?,
dos pedaços mais tenros da floresta?
Eis a moldura
que as paredes anseiam inadvertidas.
A forja.
Bairro de pétalas rasteiras,
ludíbrio fantástico
em que as circunstâncias se envergonham.
Raízes panorâmicas.
Um beijo de lata,
mãe de barro escancarado
por onde entram viris,
os gritos machos, as tocas.
A língua na boca,
na língua,
por baixo,
no delírio mais quente
quando se abrem húmidas
as janelas,
o prumo deslumbrante das estacas,
o frio, o frio.
Estendal de lama, as pernas macias,
escorrendo onde, à noite,
as línguas molham os sexos enrugados,
tempêro exausto no delírio mais terno.
Beijo de lata amarelecida,
atirada fora quando as manhãs se ouvem na cama.
Ouro leve.
Reclame de esperma de olhos longos: um dia.
Crianças sujas de alegria,
de latas submersas, leite maduro.
Zinco atmosférico.
Formigas de seda púrpura.
À hora de nem sempre,
gelados de morango sintético.
Inventário de gelo onde me apertam os olhos
e onde procuro, a medo, uma resposta.
Um dia, criança longínqua
onde se debatem as águas.
Pregos de cinza teimosa nas latas velhas,
esperando o limbo das parábolas,
testamento de mais querer e dar,
palmos de feno seguro
no lugar de si quase vago.
As mãos sem o jeito antigo,
o tempo nem olha.
Barro clandestino,
as janelas encharcadas de pó,
os brinquedos de por aí.
Nacos de mentiras no último acto,
o ponto quase deserto,
intervalo místico de um sem fim
mecânico, querido, sereno.
Ferrugem de quem diria.
Pias de abandono,
os testículos de farrapos caídos,
sargetas refractárias no bolor mais pestil.
Varais de solidão em beijos de sol triste,
os altos moinhos deste poema.
 
Venoi
Enviado por Venoi em 02/12/2005
Cˇdigo do texto: T79944
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Venoi
Portugal, 65 anos
23 textos (567 leituras)
(estatÝsticas atualizadas diariamente - ˙ltima atualizašŃo em 09/12/16 19:46)
Venoi