Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A NATUREZA CHORA


Não tem direito à vida,
Tudo está desaparecendo,
No eldorado tecnológico,
Do caos do abalançamento.

A cada minuto e dia mais abrupto,
Enlanguesce o amor da tua aflição,
Acelerando enormidades ventanias,
No clamoroso sem coesão.

Nem tudo está perdido,
Nem tudo está ameaçado,
Ainda há auroras no despertar,
De um novíssimo dia.

Não há mais lindos campos,
Não há mais bosques floridos,
Não há mais gigantescas florestas,
Tudo na dinâmica do progresso.

Extermínios dos seres animais,
No vale assassino de cada gemido,
Gotículas caem da natureza viva,
Despedaçadas pelo homem e comovida.

Nestes versos brancos exalta o teu clamor,
Durante o dia ameaçador das guerras,
Na comercialização desordenada com fragor.
Esfacelando tua face em nova era.

A natureza lagrima em furações,
Despida do apogeu do sol nascente,
Flagelando sem cessar as nações.

Não choras Ó minha mãe natureza,
Nem vens em torrentes maremotos,
Tua amplitude no mundo é tua beleza.

ERASMO SHALLKYTTON
Enviado por ERASMO SHALLKYTTON em 02/12/2005
Código do texto: T80224
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ERASMO SHALLKYTTON
Caxias - Maranhão - Brasil
4168 textos (2054761 leituras)
1 áudios (971 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:21)
ERASMO SHALLKYTTON

Site do Escritor