Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM POEMA DE OUTONO

Mergulham no cinza os dias,
O mundo está descontente,
O sol se esconde de repente,
Foi-se o verão de alegrias.

Lá fora, o frio vento sibila.
A noite tem o véu da neblina
Amanhece e começa a rotina
Da gente que não vacila

Diante de intempéries loucas.
Encasacada vai cumprir a sina,
Debaixo de chuva úmida e fina
Das obrigações que não são poucas.

Bem-te-vi que a cantar vivia,
Banhando-se na água da nascente,
Esconde-se da chuva intermitente,
Lágrimas que o céu escondia.

Despem-se, lentas, as árvores belas,
Suas vestimentas mais antigas,
Espalham suas folhas amigas
Que se vão ao sabor das procelas.

Quem se abrigava à sombra delas
Para aliviar o calor, as fadigas,
Vê seus braços nus sem as cantigas
Dos bem-te-vis tagarelas.

Mas, o outono tem seu encanto,
É tempo de sopa quente, de carinho,
É estação que encurta o caminho
Da volta ao lar que se ama tanto.

26/03/05.
Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 26/03/2005
Código do texto: T8035

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Hilda de Jesus Alão
Santos - São Paulo - Brasil
848 textos (343315 leituras)
19 áudios (10580 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 10:22)
Maria Hilda de Jesus Alão