Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DOR

Quando chegar a solidão noturna
E densa escuridão ocultar meu pranto,
Há de estrugir por mais longínqua furna,
Há de vibrar no espaço, por fim, meu canto.

Então, tu ouvirás, entre a neblina vasta,
No hálito da brisa que beijar teu rosto,
O sussurrar sutil de u’a voz já gasta
Gemendo e suspirando seu mortal desgosto.

Talvez, por piedade, me finjas escutar.
Quem sabe, caridosa, até me venhas dar
Um pouco d’esperança em meio à desgraça ?!

Mas, não ! Reprima tua voz, não venhas enganar-me!
Basta o Destino que está a maltratar-me,
Porque esta dor, tão grande dor, não passa.
mreno
Enviado por mreno em 27/03/2005
Código do texto: T8159
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
mreno
Itajubá - Minas Gerais - Brasil
37 textos (1813 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 09:15)