Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto XXXIII

Chego ao fim! Termino aqui minha jornada
Cabeça erguida, no peito a tristeza flui
Por amante, por maldito, que sou e que fui
Chego às trevas, chego à morte, ao nada.

Ao vinho, à melancolia, até mesmo a Jesus
Dedico, também aos amigos, humildemente
E que sejam mais humanos do que gente
Que não se enganem pelo que morreu na cruz.

Chego ao fim, amando mais, bebendo
Do vinho que é meu sangue sagrado
Da lua que, minha noite, vai enobrecendo.

Sim, amo a morte, amo a tristeza, o desamado
Amo a melancolia, o obscuro, o horrendo
Amo pois sei como é amar e não ser amado.

Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 30/03/2005
Código do texto: T8635

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Júnior Leal
Lagoa Santa - Minas Gerais - Brasil, 31 anos
958 textos (30824 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 01:17)
Júnior Leal