Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMA DO AMOR PRÓXIMO AO ALTAR

companheira de amor,
ainda solteira,
mostra-me
um pouco mais teus defeitos:
detesto perfeição!...

sei,
tens um gênio forte,
mas viver, vez em quando,
sem tua carinha-picuinha,
melhor seria conviver com a morte-pasmaceira
dos que deixam se levar sem a contradição
do aprendizado de saber conviver a dois.

companheira de amor,
ainda solteira,
antecipo-te os meus quase irrecuperáveis defeitos:
ah, como serei melhor!...

sei,
sou sublime demais para hoje em dia,
contraponho-me ao estresse e às ansiedades,
acordo tarde esperando as manhãs do amanhã,
— sem pressa, elas virão —
atendo ao telefone como se ele não chamasse
e, com a voz em silêncio, falo como quem gritasse
esperando tua, sempre, sinceridade
a criticar meus maus defeitos.

companheira de amor,
— de claridade, de escuridão, de alianças —
ainda solteira,
como é sereno o despertar da paixão
e o casar,
sem precisar ter que acordar
para a realidade da mais humana imperfeição.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 15/12/2005
Código do texto: T86372
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19516 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:14)
Djalma Filho