Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MENGIDOS-DO-AMOR-DE-RUA

em paz,
quase originais,
acordaram fazendo a paixão arder
como se jamais ela estivesse despertado
para a suavidade;
juntos despiram-se
até nua ficar a cidade, já clara e já sem luzes,
envergonhada pelos mendigos-do-amor-de-rua
que tropeçam cegos de noite na quentura homem-mulher
cada vez mais, na sarjeta...

em paz,
quase originais,
homens retornam aos seus rumos: voltam para casa
como se nunca tivessem vivido os idos da cidade;
mulheres esperançam-se a cada parada dos ônibus,
onde a calça jeans roça na bunda da saia
com tanta humanidade
que o inferno do dia-a-dia aos poucos fica ausente
cada vez mais, dos lares...

em paz,
quase originais,
abraçaram-se como mendigos sem claridade
pela cidade vazia de amores cotidianos
indiferentes aos casais românticos saídos do cinema;

e ardem, e ardem, e ardem 4anto,
em tanta paz,
que juntos, de tão juntos,
mora um sentimento de indissolubilidade
tão comum ao par acasalado,
apesar da paixão em estado de passado
ou na completude deste amor absurdo.
 
Ainda ardem, ardem, e como ardem
os inseparáveis amantes,
juntos, no inferno humano,
aparentemente em paz.


Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 15/12/2005
Código do texto: T86378
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19523 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:37)
Djalma Filho