Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMA AO AMIGO INESPERADO

vem, amigo que chora,
aprochegue-se só na hora
em que for constatada a morte do seu choro;  
enterre-o do lado de fora
esfregue os pés no capacho
e, se não tiver vontade, não sorria!

Pode entrar.

em nenhum momento tive intenção de agredi-lo,
amigo que já não mais chora,
ao descerrar-lhe a persiana abre-e-fecha,
ao apresentar-lhe a patroa jeitosa, caseira, carinhosa,
despreocupada com a existência do desamor...
Desculpe-me, amigo,
expor-lhe ante tamanha felicidade!

A nossa casa é colo.

quero que se sinta tão abraçado
quanto naqueles momentos em que eu,
sozinho de amor,
procurava-o para pura conversa fiada.

O quarto de visita, pequenino,
de tamanho suficiente para sua solidão,
abre sua única porta para a chegada
das suas mãos vazias.

Pode ficar.

só não traga más lembranças
das amargas lágrimas recém-secadas
pelo capacho na soleira da porta de entrada;
e se, por acaso,
ouvir, no meio de noite, risos, arfares ou deboches,
tente dormir, mesmo só!

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 15/12/2005
Código do texto: T86382
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:13)
Djalma Filho