Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A DUAS PERNAS DE MIM

ou - Poema para a amada do amanhã -

nela,
a duas pernas de mim,
há meus primeiros passos
mansos, delicados
aprendendo a duras penas
o teu corpo de manhã
ao qual me deito.

E nua,
tão bela esta manhã tão nua
onde me vi nascendo
com ares de quentura
vislumbrando montes, picos pequeninos,
um vale de calafrios no umbigo
tão maternal quanto o delta
que me fez acordar para ser um homem inteiro
a duas pernas de mim...

nela,
a duas pernas de mim,
houve meu penúltimo descanso
impiedoso, abstrato
procurando mãos pelos astros
do teu corpo de manhã
onde me rastro.

E nua,
tão bela esta noite tão nua
onde me vi dormido
com ares de ternura
descerrando sóis, lábios incontáveis,
no negror do céu em loucura
irrequieto como se a cama andar pudesse
a duas pernas de mim...

a duas pernas de mim,
onde dorme o colo do abraço,
há uma mulher nua de manhã
ante meus olhos quase desenganados
a ilumina-la, quase arrependidos, da ressaca.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 15/12/2005
Código do texto: T86385
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19525 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 19:03)
Djalma Filho