Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O FAZEDOR DE BALÕES

João, meu querido amigo,
desculpe-me.
Está politicamente impossível,
daqui, poder lhe devolver estrelas.

O progresso, amigo,
como dizia Quirino
ao atacar a sete baixos:
— É fogo no fole da jabiraca!

Ninguém mais daqui tem coragem
de abrir portas nem na calçada, cadeiras;
de mostrar a filha donzela a um desconhecido
(mesmo que donzela não seja);
de deixar amendoins, pamonhas, canjicas, aipins,
milhos, bolos e licores sobre a mesa
(mesmo que comida e bebida lhes falte);
de estourar rojões, busca-pés, bombas, traques-de-massa
só para os meninos
(eternos desconhecedores da má índole);
de brincar de faca-na-bananeira, de quadrilha, de passa-anel
só com meninas
(ingênuas e conscientes)
de que a barba precoce era aquecida a rolha
e que os remendos da calça eram panos falsos.

O progresso, amigo,
como diria Inácio
ao marcar num grito de pulmão:
— Anarriê! É mais ruim que jiló!

Ninguém mais sabe fazer cola de farinha,
nem cortar papéis-crepons sem régua
(oito, dez, doze, vinte quatro)
gomos para serem tocados
com todo cuidado
quando chega a bucha de querosene
até inchar completamente o balão
ao sabor do Deus do vento!

João, meu querido amigo,
desculpe-me.
Está politicamente impossível
daqui, poder lhe devolver estrelas.

O progresso, amigo,
fez este fazedor de balões
deixar de ser recador de Deus!

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 15/12/2005
Código do texto: T86386
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19518 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 14:48)
Djalma Filho