Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rosas Sangrentas

Carne viva,
Exposição.
Estilhaços,
Coração.

Com as mãos,
Seguro as rosas
Que me furam a pele,
Transpassam as veias do corpo,
Com seus espinhos longos,
Arrebentam os nervos,
Trituram os membros.

Cateterismo.

Espinhos.
Veias.
Feridas.
Segredos.
Sangue,
Carne viva.
Perfurações.
Exposição.
Palavras não ditas.
Ecos do coração.

Não se vêm duas rosas juntas
No mesmo ramo da mesma roseira.
Nela, há a delicadeza dos espinhos,
A fúria da estagnação das rosas.

O gozo da perfuração:
A contemplação do sangue quente
Que escorre pelas pétalas das rosas ensangüentadas.

Rosas
Ramos,
Raízes,
Medos,
Sangue,
Segredos,
Furos.
Olhos.
Solidão: pétalas das rosas do coração.


P.S.: Esta poesia está devidamente registrada em cartório no nome do autor. Toda reprodução sem a devida autorização sofrerá as sanções penais previstas em lei.
Carlos Maciel CJMaciel
Enviado por Carlos Maciel CJMaciel em 20/12/2005
Reeditado em 13/02/2017
Código do texto: T88774
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Maciel CJMaciel
Recife - Pernambuco - Brasil, 46 anos
162 textos (4909 leituras)
4 áudios (168 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/06/17 14:39)
Carlos Maciel CJMaciel