Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sonhar e derrubar as nossas Bastilhas.

São 04:00 da manhã.
Perdi o sono.
Veio à mente meus sonhos de menino.
Quando pequeno, com 15 anos, sentado na escada
De minha casinha,
Um sobradinho pequeno
No meu Cachoeiro do Itapemirim,
Sonhava com a minha mais nova aquisição.
Uma Playboi de tirar o fôlego.
Os hormônios e as espinhas em festas.
Uma pausa para reflexão no banheiro.
Sonhos e suor, um brazeiro.
Depois, aliviado, cansado,
Voltava a sonhar na escada.
O que eu seria aos 40 anos,
Como estaria no ano 2000.
Imaginava-me astronauta.
Sonhava com a APOLO XI.
Isso antes de a vida me colocar antolhos, limites,
Rir dos meus sonhos,
Tentar me colocar cangas e freios.
Depois,  uma luta constante, já adulto,
Para me livrar desses entraves
Na busca pela lucidez.
A consciência da vida, da vida real,
Das regras do jogo,
Se conquista com a queda de uma Bastilha.
Da nossa Bastilha
Da derrubada do Antigo Regime
Que nos oprime quase sempre.
Um Antigo Regime amor frustrado
Um Antigo Regime profissão frustrada
Um Antigo Regime seja qual for.
Aquele que não escolhemos.
Foi imposto severamente.
Um regime naftalina opressor demais.
Projetava e vida e sonhava...sonhava.
Lia a vida dos poetas, dos músicos, dos filósofos
Drumond, Bandeira, Alencar, Assis,
Na calçada, à noitinha,
A turma se reunia
Para me ver sonhar.
Devorava a Conhecer
E me pediam: fala Zé sobre Antares, as galáxias, as estrelas.
Crianças como eu e adultos também
Reclinados na calçada
Olhando o céu infinito do interior
Eu sonhava falando;
Eles sonhavam ouvindo.
Sonhávamos...sonhávamos.
Hoje, aos 43, estou bem.
Fiz Direito.
Gosto do que faço.
Antes fizera um curso incompleto de letras.
Amava o que fazia.
Hoje, luto ainda
Contra os antolhos da vida
Um pouco mais oxigendado
Porque encontrei esse espaço
Dividindo com vocês
Estes sonhos de menino...
Voltei a ler mais literatura...
Reduzi a leitura técnica.
E você vem derrubando as suas Bastilhas?

Observação: Quem me ajudou, foi minha bússula e deu-me o azimute correto foi Rosane Coelho, poetisa de grande quilate.

Um abraço para todos.
jose antonio CALLEGARI
Enviado por jose antonio CALLEGARI em 26/12/2005
Código do texto: T90491
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
jose antonio CALLEGARI
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 53 anos
475 textos (25267 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 15:54)