Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nem toda música,...

Nem toda música,
nem todos os sons,
nem todas as vozes,
tampouco o silêncio da noite sem estrelas,
o vazio, do vazio, oco, vazio,
a mais difusa sensação,
ou mesmo a insensatez humana,
a rebeldia do prazer será sempre
o néctar a deleitar nos teus fartos seios,
nos lábios íntimos do teu sexo,
na tua língua sedutora,
no capricho do teu beijo,
no afago do teu corpo,
submerso nessa torrente de carinho
que me tens, que te tenho
o tesão imensurável que me pertuba
que me alucina a todo instante
que busca no olhar cúmplice,
os momentos de podes me proporcionar,
o deleite consubstancial de teu fogo,
ardendo em minhas mãos a cada segundo,
fazendo explodir em pleno gozo
pelo gozo, no gozo do prazer contínuo,
ah! como me brilham os olhos,
raios, relâmpagos e trovões
rodopiando nessa tempestade de prazer
no absoluto do teu corpo.
Ah! o que nos falta?
Talvez o tempo de ter tempo,
para saborear o tempo que
nem passamos juntos,
junto a aqueles que nos detém,
sem deter a mínima razão de tanto desejo.
Ainda sinto o teu cheiro
impregnado nas minhas narinas,
ainda sinto o volume da tua volúpia
entre os meus dedos,
ainda sinto sua boca buscando o meu sexo,
a minha boca sugando o teu seio,
o teu corpo colado, suando o meu suor
com o calor de nossos desejos,
cada vez mais florescendo,
e florescendo, preenchendo lacunas,
talvez nunca navegadas.
O meu perfume já é o seu,
o teu mistura exata como meu,
e quase não temos hora
para contar nossos mais absolutos desejos,
quase não temos hora,
pois cada segundo é precioso
e nada pode ser perdido.
O que nós deixamos para trás?
Onde nós não acertamos?

Peixão89
Peixão
Enviado por Peixão em 01/04/2005
Código do texto: T9143
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Peixão
Santo André - São Paulo - Brasil, 57 anos
3231 textos (120251 leituras)
1 e-livros (241 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 18:47)
Peixão