Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MELANCOLIA (3)

PENÚRIA

Aqui está a fantasia em farrapos,
a alegria em trapos.
Por entre os confetes,
milhões de bofetes.
Está, aqui, a fantasia calada,
a agonia e a cacetada.
Em meio às ilusões,
milhões de safanões.
Marcas no rosto,
no espírito, na cara quebrada,
farta de risos sem gosto,
farta de receber porretada.
Aqui está a alegria em farrapos,
a fantasia em trapos,
por entre milhões de sopapos.
Aqui está a boca que xinga
um gole de pinga...
Está, aqui, os olhos e os dois pingos,
um operário suando aos domingos.
Os erros que acanham
e as carnes que apanham.
O prazer de tara,
a raiva na cara.
Está presente, neste momento,
o histrião ridicularizado...
Um órgão gonorreico,
e um cadáver fantasiado
está chorando, entre gemidos loucos,
machucado por milhões de socos.
Aqui está a fantasia em farrapos,
a alegria em trapos.
Por entre os suspiros,
milhões de vampiros.
Está, aqui, a fantasia calada,
o grito de uma mulher estuprada
em meios às máscaras destruídas.
O fim e o podre de nossas vidas...
Na tatuagem dos braços histéricos,
os cenários dos mundos cadavéricos.
No poder dos costumes,
o fedor de nossos próprios estrumes.
Aqui está a fantasia em farrapos,
momentos de alegria! Hoje são, apenas, trapos.
Por entre nossos pés mancos,
milhões de carnes em cancros.
Está, aqui, o que restou da fantasia! Os farrapos,
a alegria em trapos.
O rancor das feiticeiras
e a fome das caveiras.
Em meio às farsas distorcidas,
o tédio e o suplício de todas as nossas vidas...



LODO

Lodo é o
charco deste mundo,
repleto de hipócritas
e negadores da verdadeira paz.
Lodo é onde
não quero estar
por ser simples o meu falar.
A podridão de uma Era,
o vértice da cantiga sem flor.
O desamor e a estrofe de fera.
A cantiga também agora é lodo...
É lodo e, qual
verme, tenho de me arrastar.
Já fui lodo,
mas tento não mais ser.
Os nossos trapos de
imundícies estão aí,
por todos os lados.
Como lodos, como lagos alagados.
Eu também posso
ranger os dentes.
Lodo como lado
nado contra o lodo
que pode, quem
sabe, tornar-se luz?!
Cântico encoberto
no meio dos vencedores.
É o lodo da tara como sempre,
ó o lodo de todas as nações.
Nadar, nadar, não-nada...



      FERNANDO MEDEIROS
Campinas, 31 de dezembro de 2005



FERNANDO MEDEIROS
Enviado por FERNANDO MEDEIROS em 31/12/2005
Reeditado em 02/01/2006
Código do texto: T92611

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor Fernando Medeiros e o link para o site www.recantodasletras.com.br/autores/fernandomedeiros). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FERNANDO MEDEIROS
Campinas - São Paulo - Brasil, 53 anos
155 textos (8752 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:28)