Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desígnios da Deusa Vermelha

Desígnios da Deusa Vermelha

Os fogos eclodem na derradeira noite
Ouço estrondos e espocares de champagne
Olho fixamente as palmas vermelhas
E nelas imprimo abissais desejos
Já não faço pedidos, nem imploro
Recito em voz baixa e firme
Ordens e comandos aos novos dias

Que acordem meus soldados,
Conclamem a cavalaria.
Não pressinto - nem quero-
a embriaguez ilusória da Paz.
As flores me ouvem atentas
Sinto a carícia fria do mar,
meus pés envoltos em areia fina.
A primeira e pura delícia ...

Sinto a presença do vento
que me enlaça e esvoaça
as transparências do vestido.
Vermelho tinto como as palmas ardentes.
Enquanto lhes verto os sete sentidos.
Que venham a mim as batalhas !
Já estou coberta de sangue inocente
E com vinho curo minhas feridas

Mas que venham belezas verdadeiras.
Pois das dores conheço os estilhaços
dos quais me refiz em lindos vitrais.
Da pequenez humana só resta o tédio
desse microcosmo de teores banais.
Que as flores vermelhas e meu legado
levem meu recado concreto ao Universo.
E que este traga -em prazeres- os frutos
ardorosos dos méritos alcançados.
Mais aguçada a lógica e instintos animais.

O fio que me liga à essa réstia de humanidade...
O que ainda é autêntico e faz algum sentido.

Que a mim a Arte se incorpore de modo
mais profundo e extenso. Definitivo.
Somente nela minha salvaçao.
O que me alimenta a delidadeza.

Enfim lanço as flores ao mar.
E com elas os últimos desígnios.
Quero respostas rápidas. Intensas.
Abalos sísmicos, quasares, volúpias integrais.

Os fogos cessam.
Lá se foram as esperanças
pirotécnicas e vazias das gentes
E entre esgares e cumprimentos bêbados
tento ouvir o silêncio do mundo.
Que fala comigo, bem fundo. E eu entendo.

Olho para o alto, pois sei de elementos
que me acompanham de amor em outros planos.
E para eles - cúmplice - sorrio.
Lhes dedico uma única lágrima, invisível.
Pois minha saudade desagua por dentro.

Dou as costas e prossigo, alheia a tudo.
Cai a chuva nos meus longos cabelos.
Que escorrem castanhos e dourados
sobre o vestido colado ao úmido corpo.
E no meu jeito de ser humilde -olhar altivo-
subo vagarosamente o monte escuro.

Devolvo a Deusa Vermelha ao seu Olimpo.


Claudia Gadini
01.01.06

Claudia Gadini
Enviado por Claudia Gadini em 01/01/2006
Reeditado em 02/01/2006
Código do texto: T93100

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Claudias Gadini). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudia Gadini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
318 textos (54196 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 14:56)
Claudia Gadini