Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONVITE INFORMAL


Jamais terei medo de amar,
nem sequer me dividir,
quando a certeza da cumplicidade dos cheiros do cabelo
se misturarem com a necessidade da pele num só contato,
quando seus olhos de janela se abrirem para o espaço do bom-dia
enquanto, quieto e com tato, o sol do seu sorriso se esparrama pela cama.

Acho que nada mais teria para falar
e que seria uma bobagem escrever esse poema,
se a insegurança dos homens mais que descrentes
não amadurecem quando vislumbram a doce realidade.

Jamais terei medo de dividir,
nem sequer me anular
no espaço conquistado pela luta de um aprendizado.
Em primeiro lugar, sem querer estabelecer prioridades,
há uma crescente necessidade de união, até no inexplicável,
onde juntos, um ao outro, esqueceremos nós quando separados.

Acho que nada mais teria a contar
e que seria bobagem construir este poema,
se a certeza dos homens resolvidos não hesitasse
no caminho de ficar ou seguir quando conosco encontrassem.

Jamais terei medo de fraquejar,
nem revelar debilidades,
nas comparações com as situações já adquiridas
pela vida que nos chega cedo ou retarda a maturidade.
Em segundo lugar, a verdade, o compromisso concreto de tudo,
fará do sonho encantamento e alicerce para nossa casa indestrutível.

Acho que até poderia convidar,
mesmo que informalmente,
a todos os homens, com alguma sensibilidade,
para que entrem em nossa casa, só para conhece-la:

Na cozinha, de avental,
eu gosto brincadeiras com cheiros no cangote,
ela arrepia o molho feito para o amor sem mistério
enquanto os pratos se sobrepõem, os talheres cruzam.

No sobrado, sem querer,
seu êxtase se mescla à paisagem
da minha sombra sem vulto, sem transparecer
nossos beijos aos convivas, guardados para a total timidez.

E, mesmo depois de testemunhas ocular da felicidade,
vocês, homens de todas as incertezas, podem desconfiar
das mulheres que abrem janelas, apetites, desejos e olhares.
Vocês, arquétipos de homens, jamais irão crer na palavra do poeta

... que gastou um poema por só acreditar no ser mulher!.

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 02/04/2005
Código do texto: T9380
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19517 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 03:06)
Djalma Filho