Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Indefinição


Num lago, lá pelos lado do grotão

Vivia um sapo, cascudo, mas bonachão

À noite, com o soprar da brisa,

Põe-se a pensar e se martiriza.

Olha ao redor e vislumbra

Outros animais, casais, na penumbra

Sente-se desolado, desanimado,

caramba... só eu rejeitado.

Ao amanhecer, um dia, com alegria,

Bem próximo, aí ao lado, via,

Uma bela e colorda boboleta que lhe sorria.

Seria sonho ou fantasia?

Era bela, esguia, toda colorida

Ali docemente pousada, estaria perdida?

Dirigir-se a ela, gostaria

Mas ela podeira ficar ofendida

O tempo passa , ele não decide

Precisa lhe falar, mas se contém

Tem medo de algum revide,

O que ele é, não é ninguém

Enquanto pensa quão é insinificante

Sua bela, altiva e estonteante

Alça voo em direção ao horizonte

Coitado, escapou de uma situação humilhante

g. daun, set/97


GDaun
Enviado por GDaun em 14/08/2006
Reeditado em 01/10/2006
Código do texto: T216066

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
GDaun
Lupércio - São Paulo - Brasil, 72 anos
653 textos (42998 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 17:09)
GDaun