Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NO TEMPO

 



Longe vão os tempos,
Dos poemas iniciais,
Alimentados a álcool,
Palavras piramidais.

Na mesa escolhida,
Só a cadeira se alternava,
O Bar era o meu Templo
E à escola me furtava.

De tarde ou de noite,
Todo o santo dia a escrever,
Com lápis ou caneta,
No papel que tivesse haver.

E da porta principal,
A chuva, se caía,
Acordava-me p’rá rua
Que lá fora eu sabia.

E o Alfredo, Aleijadinho,
Mão na perna estropiada,
Falava-me da guerra,
Ao som da chuva aliciada,

Dos amigos que caíram,
Numa luta sem sentido,
Do País, regressando,
De corpo ofendido,

Nas lágrimas teimando,
E da vergonha que sentira,
E que ainda hoje perdura
Por uma guerra de mentira.

Disto, e de muito mais,
Escutava eu do Alfredo,
Dos pesadelos à noite,
Acordando-o para o medo

Das ruas opressivas,
E na cabeça um hiato,
Ou animal julgando-se,
De álcool fixo no palato.

E se a conversa já ia longa,
O Alfredo, Aleijadinho,
Mão na perna mutilada,
Sorriso de adivinho,

No seu passo trepidante,
Novos rumos buscava,
E absorvendo a multidão,
O Rei da sala logo se julgava.

Longe vão os dias,
Das tardes escolhidas,
Para serem o sangue,
Destas veias feridas,

Pela Espada da Poesia,
Que, mais que uma opção,
Surgindo do nada neutro,
É antes de mais uma condição.


Jorge Humberto
in Fotogravuras II
Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 21/11/2006
Código do texto: T297154
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 50 anos
2622 textos (66676 leituras)
22 áudios (937 audições)
13 e-livros (541 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:31)
Jorge Humberto