Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PÁSSARO DA ESPERANÇA

«Ao coronel Rui Telo, caçador de perdizes»

Toda a Natureza exulta
Numa estrutura galante
E tem na sua face oculta
Um mistério inebriante.

Do seu habitat silente
Brotam pássaros e aves
E agitam em quem é crente
Suas variantes suaves.

Voam pássaros e augúrios,
Por mares e precipícios,
Há-os que são espúrios
E os que atraem auspícios.

Há também aves no céu,
Do alto têm vantagens,
Não gostam de fogaréu
E vestem lindas roupagens.

Há pássaros de tempestades,
De tragédias e lassitudes,
Os que não deixam saudades
Nem esperanças, nem virtudes.

Aqueles santos viventes
Com a sua veia canora
Fazem belos ambientes
Cantando a toda a hora.

Há pássaros de mil cores
Em tonalidades vistosas
Têm penas, como as flores,
Têm espinhos como as rosas.

Há o canário e o rouxinol,
Cantando com temperança
Mas, estimulado p´ lo sol,
Voa o “pássaro da esperança”.

Renasce co´ a primavera
Não se contenta de esmola
Enfrenta qualquer quimera
Como que seja uma escola.

É o gaio, é o verde-gaio,
O pássaro mais sabedor,
Cada impulso é um ensaio
E tem sentido de humor.

Na Natureza acontece
Haver filhotes no ninho
E só este gaio fornece
Todo o aconchego e carinho.

Armazena pelo Verão
P´ ra mais tarde ter de volta
E se lhe fazem maldição
Apronta-se para a revolta.

Gosta de horizontes abertos
Procurando a verde rama
Nunca voa em rumos certos
E dizem que tem má fama.

Não é fama, mas é um jeito
De ser tão inteligente,
Tira sempre bom proveito
De quem é fraco e indolente.

Seu alimento é visceral,
É variado e sem cota,
Mas a paixão natural
Tem o nome de bolota.

Faz reservas com cuidado
Cada local bem escolhido
Para nos dias de enfado
Não lhes perder o sentido.

Quando voa na campina
Vai alegre e folgazão
Com uma vida cristalina
Que faz inveja à criação.

E os verdes campos de Maio
Enfeitados de cerejais
Fazem a delícia do gaio
Que fica a piar por mais.

Nunca anda na gandaia,
Ao contrário da perdiz,
Vive sempre de atalaia
E faz sua gaia feliz.

Não haja dúvidas, não,
Deste aventureiro de Maio
Da esperteza – diz a tradição –
“Há que ser fino com´ o gaio”.

E por falar em fineza
O "verde-gaio" é primor
Faz alegria e beleza
Nos ranchos de folclore.

Ó gaio, que és mensageiro
De uma vida de harmonia,
O teu viver é verdadeiro
Nas franjas da pradaria.

Tu és o pássaro da esperança
De um azul-esverdeado
Fica sempre na lembrança
O teu destino organizado!


Frassino Machado
In JANELAS DA ALMA
 
FRASSINO MACHADO
Enviado por FRASSINO MACHADO em 19/05/2017
Reeditado em 20/05/2017
Código do texto: T6003449
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FRASSINO MACHADO
Odivelas - Lisboa - Portugal
1762 textos (46513 leituras)
20 áudios (847 audições)
2 e-livros (22 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 22:36)
FRASSINO MACHADO

Site do Escritor