Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rua

Eis que fico parado em meu canto
Eis que fico marcado em teu pranto
O silêncio como um demônio franco
a rã que pula, pula...

O meu/teu silêncio agredido
O prazo curto e o dever, pervertido
É como escrever sem sentido
Como escrever na Lua

Tua pele e teu corpo desmascarado
O minuto deflagrado
O corte rente à face, o rosto calculado
No momento exato
Na hora oportuna
De calar e só falar
que minh' boca é tua

Mas a minha coragem turva
Teu olhar de desprezo cai feito luva
As totais deficiências, nada muda
o meu olhar de indiferença perante a tua rua.
Mateus Müller
Enviado por Mateus Müller em 03/10/2007
Código do texto: T678245
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mateus Müller
Tramandaí - Rio Grande do Sul - Brasil
59 textos (2941 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 05:20)
Mateus Müller