Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pelo Dia da Poesia: A CONCUBINA

A CONCUBINA
Lílian Maial


Roída em desespero e amargura,
mandei-te a poesia inda menina,
envolta em vãos disfarces de candura,
no intuito de fazê-la concubina.


P'ra ela entregarás todo o fervor,
enquanto assim me lês do início ao fim.
E aqui, eu me contorço em teu calor,
que brota ao folheares só a mim.


A ela alisarás - dedos macios,
carinhos pelas folhas de leitura.
E eu aqui, entregue aos desvarios,
deduzo tuas mãos em mil loucuras.


A ela ensinarás os teus mistérios,
ao passo que me deixo aos teus comandos.
Enquanto alisas páginas de tédios,
meu coração me diz que estou te amando.


E assim pude prever os movimentos,
teus medos, pensamentos, teus enfoques.
Descuido de anotar que os sentimentos
Já tinham o endereço no envelope.


E então te apaixonaste pelo inscrito
nas folhas, sem saber do coração.
E aqui, eu sofro muda, em ar contrito
sem ter como dizer dessa paixão.


E desse jeito eu fiz a concubina,
dublê na poesia desse amor,
e soube, enfim e pude ver ainda
teu coração cativo deste autor.


**************************
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 14/03/2006
Código do texto: T123025

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Lílian Maial
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1158 textos (248691 leituras)
21 áudios (13707 audições)
3 e-livros (1280 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:44)
Lílian Maial

Site do Escritor