Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

À criança que eu não fui

Flui agora, passado meio século de vida
a criança que tentei abafar,introvertida,
mas que gritava ao caos silente,receosa
que todo som a fizesse mais desastrosa!

Quanto mais veementes apelos sociais
me impeliram a lhe sedar a indignação,
mais ela murchou embutida em seus ais,
porém hoje nela esbarro pela depressão!

Tristeza e angústia levam ao silogismo
que contrapor maturidade com inocência
é  como batalhar sem inimigos e a esmo,
perdendo-se poder,razão, paz e alegria!

Assim fiz, espremendo minha essência,
engajando tantos padrões comunitários
de natureza estranha; porém, não previa
qu’ainda pulsav'a criança dos mistérios!

Desincorporei o rótulo que me escondia,
devolvendo-me a uma criança palpitante,
que  vibra comigo no ritmo da harmonia,
rompo a muralha nula e o que me limite!

Entre a criança que não me consenti ser
e a adulta mal resolvida e traumatizada,
sucedeu o matrimônio e o meu Renascer.
Liberta em mim a criança,sigo a jornada!

Santos-SP-07/10/2006
Inês Marucci
Enviado por Inês Marucci em 07/10/2006
Código do texto: T258901
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Inês Marucci
Santos - São Paulo - Brasil, 54 anos
584 textos (23406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 12:03)
Inês Marucci