Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SEMANA




                   Segunda:
               
A morte espreita, a cada canto da rua –
Caveira branca, luzidia –, vem dizer,
Que o sol se pôs, e a noite será sua.

                     Terça:

E o sonho não acaba, e a vida é imensa,
De raivas, dor, e de folia,
E a lágrima corre intensa,
Até que ao rio nasça o dia.

                   Quarta:

De lua prenhe, e urros no ar...
As bruxas dançam, a coruja pia,
E o menino junto à cama, a rezar,
Pede baixinho, que lhe concedam novo dia.

                   Quinta:

É o dia do meu espanto,
De calma e observação.
E absorto, no puro encanto,
Sento-me tranquilo, a olhar o vão.

                   Sexta:

É noite de festa... Vinhos, e fado...
E à luz da vela, o olhar fatal,
Recorda outras, e são passado,
De notas arrancadas à corda metal.

                   Sábado:

De mim já pouco resta,
Flor silvestre, a definhar.
E morro entre o pó, a meio a giesta,
Onde a alma será vingar.

                  Domingo:

Domingo... Que dizer, do Domingo?
Mendigo sem calor,
Que pede, e traz por caridade,
A falsa virtude a solidariedade,
Num prato frio, e sem amor?

Jorge Humberto
In Mosaico
                   








                             
Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 08/10/2006
Código do texto: T259209
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 50 anos
2622 textos (66676 leituras)
22 áudios (937 audições)
13 e-livros (541 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:20)
Jorge Humberto