Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O PLANETA DUM TRILIÃO DE BORBOLETAS(continuação da praia das 1000 Borboletas)

À Sónia Princesa Imperatriz Borboleta Rainha, Doce amiga que eu gosto desde o princípio dos tempos e que só irei deixar de gostar no final desses infinitos tempos e da qual tenho umas saudades imensas
Escrevi-te isto para a dor ser menor, para encontrares por fim o teu local
                 O PLANETA DUM TRILIÃO DE BORBOLETAS

Já o sabes…
De todas as minhas estrelas
És a mais bela
Por isso idealizei para ti

O planeta dum trilião de borboletas

Imagina pois A Praia
De que ambos gostamos
De imaginar
Fiz algo maior
Para te por a sonhar

O planeta dum trilião de borboletas

Lá não há cidades
Ou qualquer tipo de civilização
De palavras amargas
Que nos turvem o coração

Há o céu
E a terra
Mas nenhum lado negro
Que qualquer terrível segredo
Em si encerra

Há a mais bela das naturezas
Os mais puros sentimentos
Respirar o ser doce ar
É o suficiente
Para nos dar alento

Há tantas borboletas
Como estrelas no céu
E ali
E só ali
Se sente de forma intensa
A presença do teu Deus

Que abençoou
Tudo o que existe
Povoando o todo
Com borboletas imensas
Para não ficares triste

Há-as de toas as cores
Que ocupem uma imaginação
Tão bonitas e queridas
Que só as ver
Já acelera o coração

Voam com um rumo
Ocasional
Mas bem definido
Espalhando a esperança
A quem perdeu da vida o sentido

E nesta Terra de sonhos
Elas adormecem
Quem anda demasiado frio
Demasiado acordado
Pois o sonho só vem com uma certa ausência
Especialmente para quem anda desanimado

Ali não há fronteiras
E entra quem quer entrar
Mas fruir aquela maravilha
Só quem sabe de facto sonhar
Só quem sabe
Que a vida
Não é um conjunto de desilusões
A vida é mais
Do que perdidas emoções
A vida é um todo maravilhoso
No qual
És figura do seu trono
Porque Rainha dos sentimentos
Imperatriz da imensidão
És soberana do caminho que trilhas
És alguém
És de facto
Uma numa multidão
Por isso te fiz
A Soberana
Da Terra dos Sonhos
Bem Reais
Para que nunca te sintas ao abandono
Pois terás
Sempre onde bem entenderes
Este Poeta
Que detestaria te perder
Por isso abandonei as minhas guerras
As minhas máquinas
As minhas sensíveis complicações
Porque tu a mim
Me completas
Tendo sido por isso
E por um milhão de motivos
Que te fiz e dou

O planeta dum trilião de borboletas
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 06/08/2006
Código do texto: T210448

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5079 textos (170375 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:26)
Miguel Patrício Gomes