Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PARTILHÁMOS

Àqueles que me amam, que me chamam “Amigo”, mesmo estando longe estando perto, mas sobretudo à Patrícia, e à Borboleta Amigas Enormes, das quais tenho tantas, tantas saudades…A Todos e a todas, muito obrigado por ser quem são em relação a mim, este mero artesão do pó das estrelas o tal tento transformar em palavras
                          PARTILHÁMOS

Uma mesa
De finas iguarias
Comida farta
Sentires imensos
Nessa coisa estranha
Que é a vida
Uma enorme
E quase inexplicável
Alegoria

Partilhámos

Sorrisos
Em tempos de cólera
Em tempos de incompreensão
Porque embora acompanhados
Ambos somos sós
Pois temos nas nossas asas de poeta
Centelhas da imensidão

Partilhámos

Histórias
De gente que partiu
De gente que está sempre a chegar
Nunca estando o tempo certo
Ao pé de nós
Para ocupar
O respectivo lugar

Partilhámos

Tristezas
E um enorme mar
Da desilusão
Porque o que vimos
Não entendemos
E o que sentimos
Não tem compreensão

Partilhámos

Algumas vezes copos
Sendo que vocês
Pararam logo no início
Acompanhando-me
Na vertigem
Alcoólica
Que me leva ao precipício
Pedindo
Não pedindo
Que parasse
De sofrer
Porque no fundo
Desse álcool
Só os meus fantasmas
Revejo
Me fazem tremer

Partilhámos

Aquele belo poema
Que fizemos
Ou lemos juntos
E que nos levou às lágrimas
Pela mensagem
Que nos fez sonhar
Ou apenas
Imenso reflectir
Porque é por vezes
Nas palavras
Que quem está perdido
Sabe bem
Para onde ir

Partilhámos

Aquele
Momento
Especial
Em que
Por um segundo
Fomos o centro
Do Universo
Embora
Ninguém tivesse reparado
A não ser
Tu amiga
Amigo
Que tornas-te esse momento
Com a tua presença
Em algo
Sem igual

Partilhámos

Aquele momento
Muito especial
Em que sem o dizer
Disseste
“Sou tua amiga”
Com a alma a sorrir
E o coração
A transbordar de ternura
Devolvi-te a embalagem
De afectos
E nessa altura
A minha alma
Passou
Em parte a ser tua
Para a eternidade
Para o tempo
Que a quiseres aceitar
Até a podes devolver
Mas essa encomenda
Eu irei recusar
Porque quando digo uma coisa
Digo-a com verdade
E máxima convicção
O que sou
Pode ser nada
Mas de quem gosto
Gosto
Com toda a admiração
Sendo o melhor tesouro
Que me podem dar
É a vossa amizade
A vossa atenção
Eu estou
Onde sabem
À vossa espera
Com a carta
Do destino
Já fechada
Na mão
A carta diz simplesmente
“Gosto de vocês
Vocês são as minhas estrelas
Até ao infinito
Vocês são a parte que me escasseia
São o ar
O amor
Que me falta
São de mim
A minha suprema
Inspiração
São perante a noite eterna
A candeia
Que tão bem me ilumina
Que de forma tão sublime
Me está a iluminar
E é com vocês
Que pelas estradas
Celestiais
Terrenas
Eu quero ficar”
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 01/10/2006
Código do texto: T253767

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5079 textos (170381 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:47)
Miguel Patrício Gomes