Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Emoções de Coração Só

Há dias assim...

Em que o peso da solidão é demasiado profundo
E o que transborda é o eco surdo da ausência
Transpirando uma saudade tridimensional
Que atinge qualquer direcção e movimento
Como algo denso e sobrenatural
Que aflige o peito e condensa a tristeza
Num suspiro de dor e de amor
Que invade a alma e corroí o coração
Necessitado de esperança e ilusão

Há dias assim...

Em que o sol não brilha para nos aquecer
E as nuvens cinzentas se juntam
Para fazer companhia às nossas lágrimas
Para absorver a amargura e o tempo
Que se deseja eternamente preso ao presente
Ou involuntariamente amarrado ao passado
Como forma de amadurecer sentimentos
E perpetuar momentos que a memória não traz de volta

Há dias assim...

Em que o suspiro tem o peso da verdade
E a respiração a força das constelações
Momentos submersos na dimensão do espaço
Que rejuvenescem com o balanço de uma velha canção
Sons que a alma não esquece mas padece
Por se esquecer como força de um viver
Que teima por vezes em doer mas que
O rio faz escorrer até ao fim do seu percurso

Há dias assim...

Em que precisamos encontrar olhos de chocolate
Estrelas em forma de rebuçados
Objectos que sejam estranhos e originais
Dias em que nada nos saberá melhor do que um beijo
Dado no rosto com toda a ternura por um amigo
Ou um abraço sentido que nos eleva a moral
Quando percebemos que essas pequenas demonstrações
São impulsos para avançar pela via Láctea das emoções

Há dias assim...

Que passam a correr e parecem voar
Sobre a imaginação do tempo que parece escutar
A melodia que murmura o coração de um anjo
Que tardiamente se envolveu na paixão
De acreditar nos sonhos que emergem da noite
E reagem pela entalpia suave e macia
Que gera a entropia das nossas reacções
Tal qual erupção lávica de sentidos
Que irrompem da alma
Tal qual estalactites ou estalagmites
De suaves e profundos devaneios

Há dias assim...

E por esses dias que o céu nos abençoa
Por cada dia que passa em que sobrevivemos
Nos qual aprendemos um dado novo
Ou recebemos um presente diferente
Apaixonemo-nos pela vida e pela magia
Lancemos ao vento papagaios de papel
Sejamos crianças para rir e chorar
Acima de tudo vivamos a vida
Para esquecer a morte e fugir dela
A cada curva e esquina
Vamos sorrir e manter-nos assim
Eternamente crentes em dias melhores
Porque decerto haverá dias assim
Sonya
Enviado por Sonya em 01/10/2006
Reeditado em 30/07/2008
Código do texto: T253918

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sonya
Portugal, 34 anos
170 textos (17294 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 03:51)
Sonya