Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AUGUSTA EXISTÊNCIA



No paroxismo das minhas algias, clamei
Ao mundo, no afã de esta cruz me livrar,
Ninguém ouviu o meu bramido, pensei:
Mais um crepe que tenho que surportar.

Caminho torso que para mim foi traçado,
Cheguei a lassidão de contra ele pugnar,
Esperança de um coração estraçalhado,
À felicidade plena de um dia a encontrar.

Sou vítima sentida desta vida passageira,
Não quero mais os átimos da escuridão,
Revezes beluínos que, de certa maneira,

Fizeram vendavais com a minha paixão.
Perene tristeza é a minha companheira,
Augusta existência é a minha confissão!

Riva. 102

Rivadávia Leite
Enviado por Rivadávia Leite em 26/01/2006
Código do texto: T104065
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rivadávia Leite
Vila Velha - Espírito Santo - Brasil
222 textos (4405 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:34)
Rivadávia Leite