Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0585 - Meus delírios



 
Repouso meu corpo depois do amor, antes beijo o vazio de sua boca,
deixo que as luzes sigam dos meus olhos aos seus desejos,
toco o pedaço de carne inexplorada, a pele que queima, o fogo que exala,
até o perfume ser abandonado no ar do quarto de amor em quase silêncio.

 
As vidraças ficam embaçadas de uma névoa interna dos corpos,
somos alegorias das vontades que o prazer impõe,
eternos nas juras que a paixão nos faz dizer,
barquinhos de papel nas ondas violentas do tesão que aflora a pele nua.


Hoje aprendi a voar, a sentir as palavras no meio do beijo,
imaginar a paixão, assim como nos sonhos de uma noite vazia,
quero-me rebelde, me faço adolescente, apenas contesto o amor,
nego a ser mais humano, amantes não são normais, apenas amantes.

 
Derrame meu melhor vinho sobre o corpo, deixe a luz entrar na pele,
faça-se mulher presente, amante de todas as cores e brilhos,
quero meus olhos ofuscados, a respiração ofegante, as mãos trêmulas,
assim como nas noites que meus desejos tomam-na de um prazer louco.
 

Tome minhas mãos, coloque-as entre seus seios, esconda-as,
quero correr seu corpo, marcar cada pedaço pelos meus dedos,
jure tudo que um dia sonhou, realize todas as suas promessas,
deixe que lhe dê os desejos, o prazer, o êxtase e depois a paz.

 
Somos o tempo, a espera, a noite e o dia, os reencontros,
fui eu a hora que parou no ponteiro prateado da lua cheia.
Quero seu ar, o perfume que exala do seu sexo, a mulher que deita;
somos, se quiser, os sonhos, as festas, a paixão, o amor que ama.

 
03/02/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 03/02/2006
Código do texto: T107510
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116250 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 06:14)
Caio Lucas